INÍCIO /// ACTUALIDADE
 
 
 
 
 
Bento XVI na Capelinha das Aparições em Fátima
Artigo publicado a 2010-05-14 /// 1316 visualizações
 
Papa emocionado em Fátima
A emoção tomou conta do Santuário de Fátima, que se engalanou para receber Bento XVI. A viagem de helicóptero Lisboa a Fátima fica marcada pela passagem aérea sobre o Santuário de Cristo Rei.
Mas os momentos de verdadeira emoção ficaram guardados para a sua chegada em Papamóvel. Rodeado por uma multidão imensa, que praticamente encheu o recinto, o Papa rezou a Maria, dirigindo-se a ela como «um filho que vem visitar sua Mãe». Visivelmente emocionado, Bento XVI afirmou-se certo de que a sua oração estava a ser acompanhada pelos «beatos Jacinta e Francisco e pela Serva de Deus Lúcia de Jesus», a quem agradeceu «as orações e os sacrifícios que os pastorinhos faziam pelo Papa, levados pelos sentimentos» que a Virgem infundiu «nos seus corações». Bento XVI entregou, no final da oração, a Rosa de Ouro junto da imagem, «como homenagem de gratidão do Papa pelas maravilhas que o Omnipotente tem realizado por Vós no coração de tantos que peregrinaram a esta vossa casa maternal».

A oração de Vésperas com todo o clero, que se seguiu à oração na Capelinha, teve como momento alto a «entrega e a consagração» dos sacerdotes ao coração Imaculado de Maria, rezando para que estes resistam «às sugestões do Maligno». Numa Igreja da Santíssima Trindade completamente cheia de religiosos, Bento XVI justificou a consagração com a vontade de acolher nossa Senhora «de modo mais profundo e radical, para sempre e totalmente, na nossa vida humana e sacerdotal».

No dia 13 de Maio o recinto do Santuário de Fátima encheu-se mais uma vez para assistirem à Homilia e saudações do Santo Padre. Bento XVI na sua homilia dirigiu-se a todos os peregrinos e à devoção no Santuário de Fátima utilizando as Memórias da Irmã Lúcia "Prova disto mesmo é este lugar bendito. Mais sete anos e voltareis aqui para celebrar o centenário da primeira visita feita pela Senhora «vinda do Céu», como Mestra que introduz os pequenos videntes no conhecimento íntimo do Amor Trinitário e os leva a saborear o próprio Deus como o mais belo da existência humana. Uma experiência de graça que os tornou enamorados de Deus em Jesus, a ponto da Jacinta exclamar: «Gosto tanto de dizer a Jesus que O amo. Quando Lho digo muitas vezes, parece que tenho um lume no peito, mas não me queimo». E o Francisco dizia: «Do que gostei mais foi de ver a Nosso Senhor, naquela luz que Nossa Senhora nos meteu no peito. Gosto tanto de Deus!» (Memórias da Irmã Lúcia, I, 40 e 127)".
O Santo Padre lembrou ainda que "Com a família humana pronta a sacrificar os seus laços mais sagrados no altar de mesquinhos egoísmos de nação, raça, ideologia, grupo, indivíduo, veio do Céu a nossa bendita Mãe oferecendo-Se para transplantar no coração de quantos se Lhe entregam o Amor de Deus que arde no seu. Então eram só três, cujo exemplo de vida irradiou e se multiplicou em grupos sem conta por toda a superfície da terra, nomeadamente à passagem da Virgem Peregrina, que se votaram à causa da solidariedade fraterna. Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima."

Ao fim da tarde, na Igreja da Santíssima Trindade e perante uma assembleia de perto de 9000 pessoas, onde cerca de 400 escuteiros estiveram presentes, Bento XVI esteve presente para o "Encontro com as Organizações da Pastoral Social". No seu discurso saudou todos os presentes e as entidades a que pertencem "na diversidade de rostos unidos na reflexão das questões sociais e sobretudo na prática da compaixão, voltada para os pobres, os doentes, os presos, os sós e desamparados, as pessoas com deficiência, as crianças e os idosos, os migrantes, os desempregados e os sujeitos a carências que lhes perturbam a dignidade de pessoas livres."
O Santo Padre exprimiu "profundo apreço a todas aquelas iniciativas sociais e pastorais que procuram lutar contra os mecanismos sócio-económicos e culturais que levam ao aborto e que têm em vista a defesa da vida e a reconciliação e cura das pessoas feridas pelo drama do aborto. As iniciativas que visam tutelar os valores essenciais e primários da vida, desde a sua concepção, e da família, fundada sobre o matrimónio indissolúvel de um homem com uma mulher, ajudam a responder a alguns dos mais insidiosos e perigosos desafios que hoje se colocam ao bem comum. Tais iniciativas constituem, juntamente com muitas outras formas de compromisso, elementos essenciais para a construção da civilização do amor." E foi com diversos gestos carinho e afecto que todos os presentes se despediram do Santo Padre.

Texto: Ricardo Perna e Susana Micaela Santos /// Fotografia: Ricardo Perna
 
Bookmark and Share